______Versão on-line do zine Canibal Vegetariano______

Somos loucos apaixonados por rock, buscando sempre divulgá-lo de forma independente, sem jabá e amarras.

sábado, 30 de março de 2013

Mantendo o ritmo com Ummagma



Você já ouviu falar sobre a banda Ummagma  neste blog, Canibal Vegetariano, com uma entrevista com membros da banda Alexx e Shauna, e sobre a sua colaboração com a banda ucraniana Nameless (UA, Ternopil). Tendo lançado dois álbuns, remixes diversos, um único conjunto, e quase uma dúzia de vídeos de música no passado semestre, não é de admirar que este duo improvável tem sido o foco de mais de 130 artigos de imprensa originais emitidos em mais de 20 países, incluindo um de página inteira na revista Rolling Stone Rússia.

Mais uma vez, os holofotes se voltam para Ummagma graças a vários acontecimentos intrigantes para esta canadense-ucraniana-gênero multi (indie alt-rock dreampop ambiente postrock shoegaze) duo. O primeiro é o novo remix de "Lama" por Jane Woodman, um DIY multi-instrumentista e cineasta cuja própria contribuições musicais são notáveis ​​(nós vamos chegar a isso em um minuto). Em comparação com a versão original do Lama, com sua distinta sensação de sonho torpor olhar-arejado trippy, remix Woodman é notável por sua deliciosa lado sombrio, uma dica para o seu trabalho (e futura) anterior. A faixa mantém o apelo shoegaze mesmo dreampop do original, ao ganhar algo que é claramente mais perto de darkwave, gótico e até mesmo um pouco industrial.

Ambos Ummagma e Jane Woodman são ambos TOP-nos familiares de gráfico de Nova York e o Darkroom Indie Music Chart concorda com Dingus em recente avaliação da Música desta dupla: "Eu não conseguia pensar em uma combinação mais perfeita ou um par melhor para representar a cena musical DIY"

Em seguida, voltar-se para Jane Woodman, um artista solo com sede em San Francisco, que estreou seu primeiro EP "Electronique Poema" há mais de um ano e já nos deu uma prévia do que está por vir de seu próximo álbum "Red Adolescente", produzido por Monte Vallier (A Lua Soft, Weekend, Lentidão). O som dela é um ópio viciante do sonho de indutores de guitarras, vocais sonhadores evasivas, e cama ritmo industrial que envolve em camadas subliminares de shoegaze, gótico, pós-punk e darkwave. Ela recentemente lançou um vinil colorido de 7 "com avant violoncelista Zoe Keating (conhecido por seu tra
balho com Rasputina e Palmer Amanda, ex-Dresden Dolls). Nós temos observado recentemente a atenção significativa em sua direção e é claro o porquê. Como a situação com Ummagma, isso é arte.

Assista vídeos próximos, incluindo um para remixar Jane de "Lama", em um futuro próximo. Enquanto isso, por favor, aproveite o vídeo mais recente Ummagma, mixado pelo cineasta e Uziel arte Dimitry designer com o apoio do blog que comemora Itself Records, que tem, aparentemente, desenvolveu uma relação mútua com Ummagma.



Keeping Pace with Ummagma


You have already heard about the band Ummagma previously on Canibal Vegetariano – an in-depth review of their music, an interview with band members Alexx and Shauna, and about their collaboration with Ukrainian band Nameless (UA, Ternopil). Having released 2 albums, several remixes, one joint single, and nearly a dozen music videos in the past half-year, it’s no wonder that this unlikely duo has been the focus of over 130 unique press articles issued in over 20 countries, including a recent full-page feature in Rolling Stone Russia.

Once again, the spotlight swings back towards Ummagma thanks to several intriguing developments for this Canadian-Ukrainian multi-genre (indie alt-rock dreampop ambient postrock shoegaze) duo. First up is the new remix of “Lama” by Jane Woodman, a DIY multi-instrumentalist and film-maker whose own musical contributions are noteworthy (we’ll get to that in a minute). In comparison to the original version of Lama, with its distinct airy dream-daze-gaze trippy feeling, Woodman's remix is noteworthy for its dark luscious underbelly, a tip-off to her previous (and forthcoming) work. The track retains the same dreampop shoegaze appeal of the original, while gaining something that is clearly closer to darkwave, goth and even slightly industrial.

Both Ummagma and Jane Woodman are both TOP-5 familiars of New York City’s Indie Darkroom Chart and The Scottish New Music Chart. I’d have to agree with Dingus on Music’s recent assessment of this duo: “I couldn’t think of a more perfect combination or a better pair to represent the DIY music scene”
  
Next we turn to Jane Woodman, a solo artist based in San Francisco, who debuted her first EP “Poem Electronique”  over a year ago and has already given us a sneak preview of what’s to come from her forthcoming album “Teenage Red”, produced by Monte Vallier (The Soft Moon, Weekend, Slowness).  Her sound is an addictive opiate of dream-inducing guitars, evasive dreamy vocals, and industrial rhythm bed that wraps you in subliminal layers of shoegaze, goth, post-punk, and darkwave. She recently released a colored vinyl 7” with avant cellist Zoë Keating (known for her work with Rasputina and Amanda Palmer, formerly of Dresden Dolls). We've recently noticed significant attention in her direction and it's clear why. Like the situation with Ummagma, this is ART.

Watch for forthcoming videos, including one for Jane’s remix of “Lama”, in the near future. In the meantime, please enjoy the latest Ummagma video,  mixed by filmmaker and art designer Dimitry Uziel with support from The Blog That Celebrates Itself Records, which has apparently developed a mutual relationship with Ummagma.

quarta-feira, 27 de março de 2013

Oito Mãos apresenta novo disco em Itatiba


Christian Camilo
 A banda campineira Oito Mãos se apresentou na noite do dia 24 em Itatiba, no teatro Ralino Zambotto. Mesmo desfalcado de um de seus guitarristas e vocalista, o quarteto que se apresentou como trio mostrou canções de seu novo álbum, lançado em vinil duplo, intitulado Aliás.
Várias canções do novo disco foram executadas, assim como várias músicas do primeiro disco "Vejo Cores nas Coisas", entre elas "Café", uma música com letra fantástica e que mistura paradas com rock mais urgente, algumas partes, sempre que ouço essa canção, me lembra Teenage FanClub. Entre canções com guitarra, baixo e bateria, o trio, improvisado, fez sets acústicos e homenagearam os ingleses do Oasis, com versões até mais interessantes do que as originais.

Christian Camilo
Apesar da chuva que atingiu Itatiba no final da tarde e início da noite, um público considerável (de várias faixas estárias) esteve presente ao evento. Em pouco mais de uma hora, os presentes puderam conferir canções de boa qualidade e ver uma apresentação de pessoas honestas que estavam apenas interessadas em tocar. Parabéns a banda pelas canções e por um visual inusitado no palco, com várias luzes de Natal, às vésperas da Páscoa, muito bom!

sexta-feira, 15 de março de 2013

Os sons de Sputnik


Os Sons de Moscou com base de Sputnik desempenha um conjunto combinado de post-rock e shoegaze com um ligeiro recuo de noise rock. Enquanto este som é inspirado pelos sons de bandas como My Bloody Valentine, Jesus and Mary Chain, Ride, Sonic Youth, Happy Mondays, e Slowdive, a produção musical deste projeto especial de hoje, na verdade, parece estar mais próximo do estilo de Mogwai , Air Formação, Hammock, Airiel, Jesu, Highspire, e O Triste Crepúsculo.

Sons do Sputnik é o projeto solo de Roman Kalitkin, antes do Rostov infame (sul da Rússia) pós-punk banda shoegaze Sputnik-Vostok. Hoje em dia, Roman tem colaborado com vários músicos em canções individuais, que são, principalmente, os membros de seu grupo anterior Sputnik-Vostok, que fundou Roma - trabalhando principalmente com Sergei Cherevkov e Mazherovsky Oleg, que ele ficou com a formar Sputnik-Vostik durante a sua serviço militar obrigatório na Tchecoslováquia (durante a era soviética).

Enquanto primeiro influenciados a pegar um instrumento ao ouvir The Beatles, de volta em um momento em ofertas mais musicais foram controlados pelas autoridades estaduais, Roma entrou para uma banda, enquanto no ensino médio e tinha planejado para prosseguir esforços de orquestra até que ele foi convocado para o exército obrigatório serviço.

Música Sputnik-Vostok foi grandemente influenciado por The Cure, The Smiths e Joy Division ... Em suas próprias palavras: "no final dos anos 80, que estavam realizando em muitos festivais como Sputnik-Vostok e praticamente parecia" corvos brancos ", montado em uma mania nova onda contra o fundo de muito hard rock". No entanto, o grupo logo acumulou um grande número de fãs, eventualmente, que institui o "Clube Indie 100%" e ainda a criação de uma mistura shoegaze / dreampop de música mais parecida com My Bloody Valentine, Jesus and Mary Chain, Ride, Sonic Youth, Happy Mondays, . e Slowdive Eles gravaram vários álbuns em que o tempo - tanto em Inglês e Russo, conhecido principalmente a um estrato estreito dentro da cultura indie da Rússia da época.

Havia alguns "entre anos" em termos de empreendimentos musicais ciganos - quando o Sputnik-Vostok mudou-se para Moscovo em 1997, divididos em duas faixas separadas, sob gerente / escritor Ivan Trofimov: "Berlin-Bombay" (em que Roman participou) e "Zapreshennie Barabanshiki", uma banda que se tornou tão famoso na Rússia que é praticamente um nome familiar hoje.

Romano já trabalhou com o canadense-ucraniano indie rock dreampop duo Ummagma, primeiro com Shauna membro da banda nos anos pré-Ummagma e depois como co-autor da canção Ummagma "Live and Let Die" (de sua "antigravidade" álbum de estreia). Depois de aperfeiçoar sua forma de tocar e as habilidades de gravação e através de várias colaborações, Roman refinou seu som para um que não só é exclusivo para a Rússia, mas para o mundo. Ele já lançou sete vídeos em apoio da sua própria música e duas versões do vídeo para Ummagma "Live and Let Die". Este vídeo foi listado nos vídeos top-10 para 2012 por vinte e goto-Dez (agora Outersounds Underground). Sons do Sputnik "A Missão" é atualmente # 29 no Music Chart escocês Nova para fevereiro.

Sons do Sputnik está atualmente em estúdio gravando e colaborando com Ummagma em material para seu EP próxima conjunta, que deve ser liberada para o início do verão de 2013.



The sounds of Sputnik

The Moscow-based Sounds of Sputnik play a combined array of post-rock and shoegaze with a slight kickback to noise rock. While this sound is inspired by the sounds of such bands as My Bloody Valentine, Jesus and Mary Chain, Ride, Sonic Youth, Happy Mondays, and Slowdive, the musical output of this particular project today actually seems to be closer to the style of Mogwai, Air Formation, Hammock, Airiel, Jesu, Highspire, and The Twilight Sad.


Sounds of Sputnik is the solo project of Roman Kalitkin, previously of the infamous Rostov (southern Russia) post-punk shoegaze band Sputnik-Vostok. Nowadays, Roman has been collaborating with various musicians on individual songs; these are mainly members of his previous group Sputnik-Vostok, which Roma founded – working mainly with Sergei Cherevkov and Oleg Mazherovsky, who he hooked up with to form Sputnik-Vostik during their mandatory army service in Czechoslovakia (during Soviet times).

While first influenced to pick up an instrument upon hearing The Beatles, back at a time when most musical offerings were controlled by state authorities, Roma joined a band while in high school and had planned to pursue orchestral endeavors until he was summoned for his mandatory army service.

Sputnik-Vostok’s music was greatly influenced by The Cure, The Smiths and Joy Division... In his own words: “in the late 80s, we were performing at many festivals as Sputnik-Vostok and we virtually looked like "white crows", riding on a new wave craze against the background of overly hard rock music”. However, the group soon amassed a large number of fans, eventually establishing “Indie Club 100%" and further creating a shoegaze/dreampop blend of music more closely resembling My Bloody Valentine, Jesus and Mary Chain, Ride, Sonic Youth, Happy Mondays, and Slowdive. They recorded several albums in that time – in both English and Russian, known mainly to a narrow stratum within Russia’s indie culture of that era.

There were some “in-between years” in terms of Roma’s musical endeavors – when Sputnik-Vostok relocated to Moscow in 1997 and then divided into two separate bands under manager/writer Ivan Trofimov: “Berlin-Bombay” (in which Roman participated) and “Zapreshennie Barabanshiki”, a band that became so famous within Russia that it is virtually a household name today.

Roman has worked with Canadian-Ukrainian indie rock dreampop duo Ummagma, first with band member Shauna in the pre-Ummagma years and later as co-author of Ummagma’s song “Live and Let Die” (from their debut album “Antigravity”). After honing his playing and recording skills and through various collaborations, Roman has refined his sound to one that is not only unique for Russia, but for the world. He has released seven videos in support of his own music and two versions of the video for Ummagma’s “Live and Let Die”. This video was listed in the top-10 videos for 2012 by Twenty-goto-Ten (now Outersounds Underground). Sounds of Sputnik’s "The Mission" is currently #29 in The Scottish New Music Chart for February.

Sounds of Sputnik is currently in the studio recording and collaborating with Ummagma on material for their forthcoming joint EP, which should be released towards early summer of 2013.

terça-feira, 12 de março de 2013

Nem a chuva para o rock'n'roll


Natália Pellicciaro – SMCT
Nem a chuva que caiu sobre Bragança Paulista entre o final da tarde de sábado (09/03) e a noite, foi capaz de parar o segundo dia de ‘Grito Rock Bragança 2013’. O início do evento estava previsto para 16h, mas a forte chuva que caiu em Itatiba dificultou, e muito, a saída da cidade para curtir rock'n'roll.
                Mas apesar dos pesares, a chuva diminuiu e “cair” na estrada foi inevitável. No meio do caminho quase houve desistência, pois a quantidade de água, raios e trovões chegou a preocupar, mas a vontade de curtir rock falou mais alto, o carro ficou na estrada e depois de muito tempo, estávamos no evento.

Natália Pellicciaro – SMCT
Quando a "equipe" do Canibal Vegetariano chegou, duas bandas havia se apresentado, Remascente e Desvio de Conduta. Devido à chuva, não foi possível acompanhar o som dessas bandas. Houve certa preocupação, pois nosso amigo Matias Picon, o Perro Locon, tocou em uma delas.
                Na chegada a Bragança, tudo tranquilo, chuva amena, perfeito para o rock. Mas bastou os paulistanos do Futuro subirem ao palco para que mais água descesse do céu. Muita chuva, mas havia guarda chuvas no local e muitas pessoas curtiram o bom hardcore feito pelo grupo que tem uma garota no vocal e ela faz a diferença, pois consegue agudos incríveis e deixa o timbre da guitarra semiacústica muito diferente.

Natália Pellicciaro – SMCT
A chuva não desanimou nem o público nem a banda que mandou em pouco mais de meia hora muitas canções e a queda de temperatura em nada prejudicou o pessoal que abria roda em frente ao palco. A diversão foi garantida.
                A quarta banda da noite foi a Prole de Americana, os caras tocarão juntos com Dead Kennedys no próximo mês, na cidade deles. O quarteto americano subiu ao palco e mandou ver uma "enxurrada" de riffs guitarrísticos e com muita cacetada na bateria. Uma apresentação simplesmente sensacional.
                Ao final do show da Prole, a chuva parou. Houve intervalo para troca de equipamentos e ansiedade da galera para apresentação dos estadunidenses do Los Crudos. Enquanto eles não subiam ao palco, deu para por o papo em dia, afinal, muita gente do underground estava presente ao evento. Nomes como: Serginho, batera do Leptospirose, Rogério Japa, baixista do Merda, Juninho, baixista do Ratos de Porão, o músico e artista plástico Matias Picon, o vereador da juventude e um dos organizadores do evento, mestre Quique Brown e uma galera da banda Attack Force de Atibaia.

Natália Pellicciaro – SMCT
                Após o papo, a chuva voltou com tudo assim que os Los Crudos soltaram os primeiros acordes no palco. Enquanto mais a chuva caía, crescia o número de pessoas para conferir uma banda muito foda para tocar hardcore. Em pouco mais de meia hora, apenas isso bastou, eles executaram vários clássicos e o vocalista ainda deixou o palco para se misturar à galera que abria roda em frente ao palco. Som honesto, forte, preciso, porrada. Começar o ano de 2013 vendo um show desses, dá para acreditar que o ano promete. No domingo, houve mais bandas, mas o show dos Crudos merecia ser bem digerido, pois não é todo dia que se assiste grátis, uma aula de rock, uma aula da hardcore. Muchas gracias Los Crudos.

Neither rain to rock'n'roll

Neither rain that fell on Bragança Paulista between late Saturday afternoon (09/03) night and was able to stop the second day of 'Scream 2013 Rock Bragança'. The start of the event was planned for 16h, but the heavy rain that fell in Itatiba difficult, and much, just outside the city to enjoy rock'n'roll.

Natália Pellicciaro – SMCT
But in spite of everything, the rain subsided and "fall" down the road was inevitable. Halfway there was almost giving up, because the amount of water, thunder and lightning came to worry about, but the desire to enjoy rock spoke louder, the car was on the road and after a long time, we were at the event.
When the "team" of Cannibal Vegetarian arrived, two bands had presented Remascente and Misuse of Conduct. Due to rain, it was not possible to follow the sound of those bands. There was some concern because our friend Matias Picon, the Perro Locon, touched one.

Natália Pellicciaro – SMCT
On arrival at Bragança, all quiet, mild rain, perfect for rock. But it was enough Paulistanos Future take the stage for more water to come down from heaven. Lots of rain, but there were umbrellas on site and many people like the good done by the hardcore group that has a girl on vocals and it makes a difference, because it gets incredible highs and leaves the timbre of the guitar semiacústica very different.
The rain did not dampen neither the public nor the band that sent in just over half an hour many songs and temperature drop did not hurt the people who opened wheel in front of the stage. The fun was guaranteed.
The fourth band of the night was the Prole, of the Americana, the guys play along with Dead Kennedys next month in their city. The American quartet took the stage and told to see a "flood" of riffs and very  guitarrísticos cacetada on drums. A simply sensational presentation.

Natália Pellicciaro – SMCT
At the end of the show of Prole, the rain stopped. There was change interval of equipment and anxiety of the crowd for the presentation of the U.S. Los Crudos. As they ascended the stage, gave a talk on the day, after all, many of the underground was present at the event. Names like: Serginho, drummer of Leptospirosis, Rogério Japa, bassist Shit, Juninho, Bilge Rats bassist, musician and artist Matias Picon, Councilman youth and one of the event organizers, master Quique Brown and the gang banda Attack Force Atibaia.
After the chat, the rain returned with everything so the Los Crudos released the first chords on stage. As more rain fell, the growing number of people to give a banda very cool to play hardcore. In just over half an hour, only that was enough, they performed various classical vocalist and still left the stage to mingle with guys wheel that opened in front of the stage. Sound honest, strong, accurate punches. Starting the year 2013 seeing such a show, can you believe that the year promises. On Sunday, there were more bands, but the show of Crudos deserved to be well digested as it is not every day that you watch for free, a lesson in rock, a lesson of hardcore. Muchas gracias Los Crudos.                

quarta-feira, 6 de março de 2013

Divulgadores de arte


O Motim Cultural foi criado em Itatiba por algumas pessoas que buscam trazer opções de cultura, principalmente a galera underground, não apenas no rock’n’roll. O Canibal Vegetariano conversou com Aline Maioli, uma das responsáveis pela criação do grupo. Abaixo, você confere entrevista na íntegra.

Canibal Vegetariano: Qual a finalidade de criar o Motim Cultural?
Aline Maioli: Nossa finalidade é estimular o consumo a cultura regional, estabelecendo uma 'rotina cultural' na cidade. Muitas pessoas de Itatiba deixam de ficar na cidade aos finais de semana, porque a cidade não costuma proporcionar shows, eventos e roles que despertem interesse.

CV: Quais eventos vocês pretendem realizar?
AM: Shows, mostras de arte, exposições de trabalhos artísticos, teatro, saraus, recitais e demais que envolvam o meio cultural.

CV: O trabalho de divulgação artística será voltado apenas ao rock’n’roll ou a outros estilos   musicais?
AM: Divulgação artística: Voltamos aos estilos musicais que não são tão encaixados no 'padrão social' da cidade. Trabalhamos com bandas de rock, mas também pensamos em rodas de viola, música experimental, voz e violão, música popular brasileira, entre outros.

CV: Vocês trabalharão apenas com bandas e artistas independentes?
AM: Trabalharemos com artistas independentes, mas se houver oportunidade e espaço para um artista mais renomado, esse será chamado, mas o principal foco são artistas regionais conseguindo um espaço para mostrar seu trabalho.

CV: O primeiro evento no domingo, será apenas com bandas de material próprio? Como foi realizada a seleção?
AM: Nosso primeiro evento estaremos contando com bandas que tem material próprio, mas também fazem covers. Acreditamos que o som autoral é muito importante para a identidade de uma banda/artista, porém, tornar isso uma condição para a apresentação é privar uma pessoa de expor seu trabalho. Selecionamos bandas de derivados estilos de rock, que são da nossa cidade, para que possam mostrar seu trabalho.

CV: Agradeço e deixo espaço para considerações finais.
AM: O Motim é um movimento que preza pela consciência social e ambiental, onde todos nós somos iguais e dependentes do meio no qual vivemos. Fazemos nossos eventos pagando com o suor da cara, pois não temos patrocinadores fixos nem um caixa, mas temos vontade e iniciativa, que é o que falta em muita gente que reclama. Nosso movimento está aberto a todos.