______Versão on-line do zine Canibal Vegetariano______

Somos loucos apaixonados por rock, buscando sempre divulgá-lo de forma independente, sem jabá e amarras.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Leptospirose de Natal

A Leptospirose fez todo mundo agitar e por a cabeleira em
ação. Fotos: Ivan Gomes
Galero, três dias após curtirmos o encerramento do Raro Zine Fest em 2016, voltamos para Bragança Paulista durante à noite de quinta-feira (22), para acompanharmos o segundo e último dia do festival Cardápio Underground, que nesta edição foi realizado no Pub. Devido a compromissos profissionais, não conseguimos participar do primeiro dia, que foi muito especial, com toda programação voltada às mulheres. No encerramento, quinta-feira, além de três shows, assistimos o ótimo documentário “Time will burn”, sobre o rock independente nos anos 90.

A noite foi típica de verão, muito quente! Chegamos em Bragança e na entrada do Pub encontramos vários camaradas. Entre um papo e outro, foi o tempo para o telão estar pronto para assistirmos o documentário que retrata de maneira muito clara o que foram os anos 1990. Na sequência, o artista plástico e músico, Matías Picon, com som experimental.

Deb and the Mentals. Paulistanos
fizeram ótimo show
Na sequência, Fernando Maranho subiu ao palco e mostrou seu trabalho. Nós tivemos problemas com nosso equipamento e não conseguimos registrar de maneira adequada a apresentação, mas a música é de ótima qualidade. Durante o show, ele apresentou músicas de seu álbum “Hipercubo”, entre o rock e uma sonoridade psicodélica. Foi uma apresentação sensacional!

Assim que o bragantino deixou o palco, os paulistanos da Deb and the Mentals assumiram o controle da festa e fizeram muito bonito. Com seu som garageiro, o quarteto não deixou a galera parada e fez todo mundo agitar. O show foi cirúrgico, rápido e preciso. Rock puro, sem mistura nem gelo.

Fernando Maranho e banda apresentaram canções de seu mais
recente trabalho, outro ótimo show da noite
Com todos muito animados, papai Noel passou mais cedo por Bragança e presenteou a todos com o ótimo show dos “donos da casa”, Leptospirose. O power trio formado por Quique Brown (guitarra e vocal), Velhote (baixo) e Serginho (bateria), não deixou pedra sobre pedra. Os caras deram passada por toda carreira de mais de 15 anos e deixou todos ensandecidos, no melhor sentido da palavra. Foi um ótimo show para encerrar 2016 e deixar-nos com esperança de dias menos complicados.

Após mais uma apresentação avassaladora dos bragantinos, só restou-nos dar aquela passada básica nas bancas de material independente, tomar uma água, pois a madrugada estava quente e voltarmos para estrada, pois o esqueleto em determinado horário pede arrego.   

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Duas doses de rock para deixar 2016 para trás

Drákula, como sempre, em mais uma exibição de gala em
terras bragantinas. Fotos: Ivan Gomes
No domingo (18), a galera do Canibal Vegetariano botou o pé na estrada em direção a Bragança Paulista, mais precisamente ao Centro Cultural no Matadouro, onde o responsável pelo Raro Zine, German Martinez, organizava a última edição do Raro Zine Fest, em 2016. Quatro bandas estavam programadas, mas devido a outros dois compromissos anteriores, conseguimos chegar a tempo de ver as duas últimas, Burt Reynolds, de Jundiaí, e os campineiros do Drákula. Infelizmente a Echinochess (Monte Mor) e Sorry For All (Socorro) ficarão para uma próxima.

Apesar de não vermos as duas primeiras bandas, chegamos pouco antes do início da apresentação dos jundiaienses. No início deste mês vimos a banda “jogando” em casa mas mesmo fora, os caras arrebentam e conquistam rapidamente o público. Sem delongas, a banda solta os riffs e põe a “juventude” para dançar e agitar com seu rock entre o moderno e o retrô. Eles deram uma passada em quase três décadas de rock e ainda apresentaram som novo. Mesmo fora de casa, mais uma bela “vitória” da galera do Japi, com direito a goleada.

A Burt Reynolds romou de assalto o palco do Centro
Cultural e fez a galera agitar
E para fechar o ano do Raro Zine, a banda Drákula sobe ao palco com a galera mais do que aquecida e sem dó nem piedade despejou punk rock, surf music e rock’n’roll para que os esqueletos fossem chacoalhados à vontade. Com novo integrante na guitarra, Beto, da Labataria, o quarteto manteve o estilo e rapidamente conquistou o público e fez mais um ótimo show, que faz com que a banda esteja os shows mais interessantes para assistir nos últimos tempos.

Ao final das apresentações, público satisfeito e o gostinho de “quero mais” em 2017. German Martinez acertou na escolha das bandas para fechar o ano e agradeceu a todos que compareceram aos eventos do Raro Zine ao longo de 2016. “Nosso sincero obrigado a todos que contribuíram de alguma forma no decorrer do ano, e que fizeram do Raro Zine Fest uma verdadeira celebração de festa, harmonia, amizade e cooperação. Um obrigado gigantesco a todos.” 

sábado, 3 de dezembro de 2016

Autoramas continua com pé embaixo no acelerador

Gabriel Thomaz e Érica Martins durante show da Autoramas
em Jundiaí. Fotos:Ivan Gomes
A banda carioca Autoramas se apresentou durante noite de sexta-feira (2) no Aldeia Bar, em Jundiaí. Além deles, duas bandas jundiaienses foram responsáveis por abrir a festa rock’n’roll que teve presença de bom público. E nós do Canibal Vegetariano estivemos por lá para xeretar e meter nosso dedo mindinho nesse assunto e escrever o que rolou.

A banda Gasoline Special foi a responsável por abrir o festejo. Power trio com vocação para vertente mais pesada do rock, os caras não perderam tempo e soltaram os bichos sobre a galera. Sons mais antigos, músicas que farão parte de novo registro em 2017 e participação de Fabiano Nick, da Fistt, em tributo aos Ramones, marcaram o show dos caras.

Em seguida, outra banda de Jundiaí, essa com quase três décadas de estrada, Burt Reynolds. Quarteto com dois dos fundadores da banda e com uma baixista que chegou recentemente assim como o segundo guitarrista. A mistura dos mais experientes com os mais jovens ficou muito boa e a banda fez uma apresentação rock’n’roll total e botou a galera para cantar, agitar e dançar.

Gasoline Special teve participação de
Fabiano Nick, da Fistt
Com o caminho muito bem pavimentado pelas duas bandas, a Autoramas subiu ao palco com sua recente formação, em quarteto. Ainda não havia visto a banda neste formato, anteriormente apenas como trio.

As mudanças ocorridas na banda não a descaracterizaram. O som ficou mais “pegado” e algumas músicas mais rápidas. Érica Martins, ex-Penélope, manteve os vocais femininos que sempre estiveram presentes e acrescentou segunda guitarra em outras músicas assim como teclados e alguns instrumentos percussivos.

Burt Reynolds em ação. Rock para
espantar os maus espíritos
Gabriel Thomaz continua sendo o principal compositor e grande líder da banda. A performance no palco sempre precisa e neste show estava muito à vontade e contou algumas histórias sobre suas composições.

Durante o show, a banda tocou muitas músicas do disco novo, “O futuro do Autoramas” e de outros discos. Gabriel ainda relembrou sua antiga banda Little Quail and The Mad Birds. Para resumir, show 100% rock e alegria dos fãs ao final da apresentação com muitos gritos, palmas e um pedido de que voltem logo.