______Versão on-line do zine Canibal Vegetariano______

Somos loucos apaixonados por rock, buscando sempre divulgá-lo de forma independente, sem jabá e amarras.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Roadie: a minha vida na estrada com o Coldplay


Matt Mcginn - editora Lafonte - 207 páginas

Divulgação
Roadie é uma história real, com pitadas de ficção? Ou uma estória de ficção com algumas passagens verídicas? Só quem conhece o que é o mundo do rock'n'roll pode afirmar o quanto as passagens do livro são reais.
O livro foi escrito pelo roadie Matt Macginn, que tentou ser músico em várias bandas, mas o destino o fez ser um "braço direito" de uma das principais bandas de pop rock da atualidade , o Coldplay.
E a história de Matt com a banda não tem início nos bons tempos, mas sim no início, quando eles ainda gravavam o primeiro álbum, Parachutes, e os caras percorriam a Inglaterra, junto com dois ou três técnicos, em uma van.
E a partir desse começo, uma banda que era vista como promissora, aos poucos foi crescendo e após mais de dez anos,  é uma das grandes do showbizz. E as aventuras, os erros, os acertos, os grandes e pequenos shows, o lado bom e ruim da vida na estrada, estão relatados neste livro. Muitos podem não gostar da banda, mas a história de seu roadie merece ser lida, pois um show de rock pode mudar o mundo, mas já pensou no trabalho que as pessoas precisam ter para isso acontecer?


Roadie: My Life on the road with Coldplay

Matt McGinn - publisher Lafonte - 207 pages

        Roadie is a real story, with bits of fiction? Or a story with some passages of fiction true? Those who know what the world of rock'n'roll can say how the passages in the book are real.
       The book was written by roadie Matt Macginn, who tried to be a musician in several bands, but destiny made ​​him to be a "right arm" of a major pop rock bands of today, Coldplay.
And the story of Matt with the banda has no beginning in the good times, but in the beginning when they still were recording the first album, Parachutes, and the guys toured England, along with two or three technicians in a van.
       And from that beginning, a band that was seen as promising, gradually grew and after more than ten years, is one of the great showbiz. And the adventures, mistakes, successes, large and small shows, the good and bad of life on the road, are reported in this book. Many may not like the band, but the story of his roadie worth reading, for a rock show can change the world, but I thought the work that people need to make it happen?



quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

O vereador da juventude

Canibal Vegetariano
Para quem ainda não o conhece, nós lhe apresentamos. Quique Brown é bragantino, casado, pai de 2 filhos, roqueiro, agitador cultural, pedagogo, guitarrista e vocalista da banda Leptospirose, que há mais de 10 anos está na estrada. Nessa pouco mais de uma década, a banda lançou 3 álbuns, um split e excursionou por várias regiões do Brasil, América do Sul e Europa. E agora, Quique Brown foi eleito vereador em Bragança Paulista. A pouco menos de um mês para assumir uma das cadeiras do Poder Legislativo, ele, que concedeu várias entrevistas a este blog, onde falou muito sobre rock e a cena independente, agora fala sobre política e os rumos que deve tomar nesse novo desafio.



Canibal Vegetariano: Para começar, vamos direto ao assunto. O que representa os 1.326 votos que você recebeu?
Quique Brown: Em termos gerais, um trabalho reconhecidíssimo por uma parcela bastante significativa da população bragantina.
Ainda não fiz um balanço das urnas para ver de onde vieram meus votos, mas tenho certeza de que o público que votou em mim é bastante diversificado e isso traz a tona uma sensação bacana de que tudo o que fiz de forma altamente independente (DIY – do it yourself – faça você mesmo) durante todos estes anos, foi amplamente reconhecido.

CV: O que o motivou a entrar para política partidária e após essas eleições o que mais podemos esperar?
QB: A motivação foi a mesma que os Ramones tiveram para fazer música, botaram na cabeça que dava, e realmente dava.
A meta é trabalhar brutal no “alternativo” trazer para linha de frente questões ligadas aos esportes que estão fora do futebol, das músicas que estão fora das rádios, dos costumes que estão fora das novelas, das notícias que estão fora dos telejornais...  

Canibal Vegetariano
CV: Em 2008, você concorreu pelo PC do B, este ano pelo PV. Qual o motivo da mudança de sigla?
QB: Na eleição de 2008, eu estava filiado no PV. Na época, o PC do B que estaria na mesma chapa pra prefeito que o PV, estava precisando de gente e eu acabei migrando de partido. Desta vez, como a eleição era muito mais séria para mim, voltei ao PV, que tem uma ideia “tropicalista” que bate geral com as minhas plataformas de como encarar a vida. Muita gente encara o PV como um partido exclusivamente voltado ao meio ambiente, mas não é só isso.  
Aqui em Bragança o PV é muito forte, o nível dos candidatos em termos de votação é muito alto, muita gente dizia que minha ida ao PV era um suicídio político, pois eu jamais venceria os medalhões que tinham lá dentro, etc. Na hora de coligar, o PV se juntou ao PT e ao PTB, partidos que também tinham nomes muito fortes e aí esse lance do suicídio veio muito mais a tona. No fim das contas, nossa coligação elegeu quatro pessoas e eu fui o terceiro mais votado do grupo e o nono da eleição. Para ser ter uma ideia de como era pesada a disputa interna dentro da nossa chapa, o quarto colocado da coligação DEM/PC do B, que também elegeu quatro pessoas, teve 797 votos, enquanto o nosso quarto colocado teve 1096. Nosso primeiro suplente, quinto colocado, teve 1002 votos enquanto o deles teve 580. Para fechar essa análise doida, na nossa coligação, existem seis candidatos que tiveram mais votos que o primeiro suplente deles e menos que o nosso. Resumindo, era realmente uma chapa muito forte e levar o trono ali foi muito massa!

CV: Cara, você é muito conhecido não só pela banda, mas também por seus vários trabalhos, como a Escola de Música Jardim Elétrico, o Cardápio Underground, entre outras paradas. Como você pretende continuar com esses projetos e conciliar com a vida de marido, pai e vereador?
QB: Estou acostumado com a correria doida do meu trabalho e da minha vida e pretendo continuar 100% no gás total, sem grandes mudanças, depois que eu tomar posse e der início aos trabalhos a coisa pode mudar um pouco, mas a princípio continua tudo igual.

Canibal Vegetariano
CV: O que Bragança Paulista pode ganhar com Quique Brown como vereador?
QB: Políticas públicas para juventude, um olhar mais crítico e menos conservador sobre as coisas, parcerias reais entre a sociedade civil e o poder público, valorização extrema das pessoas que estão aí fazendo alguma coisa e nunca são reconhecidas como deveriam e por aí vai...

CV: Você como político eleito. Que recado você dá para aqueles jovens, principalmente, que são alienados ou que não confiam em políticos devido aos escândalos noticiados diariamente em vários tipos de mídia?
QB: Seja ativo dentro daquilo que você acredita e se com o passar do tempo surgir um político que compartilhe das mesmas ideias que você na sua cidade, o apoie, se não surgir nenhum e houver necessidade, lance sua candidatura ou a de um amigo e vamos em frente!

CV: O que você acredita que precisa mudar, não apenas na política de Bragança, mas no Brasil?
QB: Tem muito “cabo eleitoral” sem competência alguma para trabalhar em qualquer empresa,  inchando gabinete, secretaria e ministério. Esses caras deveriam estar trabalhando em agências de marketing político e não no poder público. Isso precisa mudar, e se mudar, teremos um avanço considerável na terra.

CV: Agradeço pela entrevista e deixo espaço para seus comentários finais. Abraço. 
QB: Ivan, valeu demais por esta entrevista e pelo espaço que sempre deu para mim, ao grupo Leptospirose e ao underground como um todo. Tô ligado que o PV levou a prefeitura aí em Itatiba. Vamos ver o que da para armar aí também né?

Em Itatiba, interior do Estado de São Paulo, o PV, partido de Brown, re-elegeu o vice prefeito Ari Hauck. A prefeitura está a cargo de João Fattori, do PSDB

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Uma pedrada em seus ouvidos


       Isso é o que você sente quando põe para rolar na vitrola o novo disco da banda carioca "Os Estudantes”. Intitulado como "Pedras portuguesas na sua cabeça", o disco vem com 15 músicas que são verdadeiras pedradas.
                A abertura é com a rapidíssima e direta "boas vindas", que mostra claramente o que esperar ao longo das outras canções. Mesmo sendo muito agressivo e com músicas rápidas, desta vez os caras gravaram uma canção com uma levada muito punk rock e com mais de dois minutos de duração, chamada "espírito seco", com refrão que fica na cabeça muito tempo depois de ouvi-la.
                Com essa exceção, e diga-se uma ótima exceção, as outras faixas mostram aquilo em que Os Estudantes são mestres, rapidez. Destacar uma única música neste disco é ser injusto com as outras. O disco é ótimo do início ao fim.
                E o resultado que você ouve em seu toca discos é fruto de um trabalho realizado em três dias. O "pedras" foi gravado entre os dias 8, 9 e 10 de junho deste ano, no estúdio Superfuzz, no Rio de Janeiro. Sobre a gravação, espetacular. Todos os instrumentos são audíveis, os riffs de Manfrini são fortes e estão bem claros, assim como se ouve o baixo de Donny em "diálogo" espetacular com a bateria de Diogo. O vocal de Vitão, mesmo com toda a agressividade, está claro, pesado e fica fácil para o ouvinte que gosta de acompanhar o disco com o encarte em mãos.
                E por falar em encarte, preciso destacar toda a arte gráfica do disco que foi concebida pelo vocalista Vitão. A capa vem com o tradicional amarelo e vermelho, característico da banda, com um dos desenhos do artista. A contra capa também tem um capeta que deixa claro que o disco tem 15 músicas e apenas 300 cópias. Dentro do álbum, o encarte com as letras também mostra uma criança demoníaca com uma pedra na cabeça, criança essa que me fez lembrar a capa de Born Again, do Black Sabbath. Está em dúvida para se presentear no natal, ou presentear o chato de seu sobrinho? Fácil, compre esse disco d'Os Estudantes. Quem sabe ele possa vir a ser um cara legal?

Os Estudantes - Pedras Portuguesas na sua Cabeça - Lançamento Laja Rakords    

Aqui você confere uma das novas músicas desse ótimo disco de rock:


A pelt in his ears

This is what you feel when you put on the record player to roll the new album the band carioca "Students". Titled as "Portuguese stones in your head", the disc comes with 15 songs which are true stones.
The opening is very quick and straightforward with the "welcome", which clearly shows what to expect along the other songs. Even being very aggressive and fast songs, this time the guys recorded a song with a very punk rock and carried over two minutes long, called "dry spirit" with chorus that stays in the head long after you hear it .
With this exception, and tell a great exception, the other tracks show what they Students are teachers, rapidity. Highlight a single song on this record is to be unfair to the other. The album is great from start to finish.
And the result you hear on your turntable is the result of work done in three days. The "stones" was recorded between days 8, 9 and 10 June this year, the studio Superfuzz, in Rio de Janeiro. On recording, spectacular. All instruments are audible, the riffs are strong and Manfrini are clear, and the bass is heard Donny in "dialogue" with the spectacular battery Diogo. The vocal Vitão, even with all the aggressiveness, of course, is heavy and easy for the listener who likes to keep up with the hard liner notes in hand.
Speaking of artwork, I must highlight the entire disc artwork that was designed by vocalist Vitão. The cover comes with the traditional yellow and red, typical of banda, with one of the artist's drawings. The back cover also has a devil that makes it clear that the album has 15 songs and only 300 copies. Inside the album, with lyrics booklet also shows a demonic child in the head with a rock, this child that reminded me of the cover of Born Again by Black Sabbath. Is in doubt for gift-giving at Christmas, or give the flat of his nephew? Easy, buy this disc d'Students. Who knows it might be a nice guy?
Students - Portuguese Stones in his head - Release Laja Rakords