______Versão on-line do zine Canibal Vegetariano______

Somos loucos apaixonados por rock, buscando sempre divulgá-lo de forma independente, sem jabá e amarras.

domingo, 4 de novembro de 2012

Ummagma: música que ultrapassa fronteiras


Divulgação
O amor pela música uniu o ucraniano Alexx e a canadense Shauna. Dessa união, além de um casamento, rendeu a banda/duo Ummagma. Juntos há alguns anos, recentemente lançaram seus primeiros discos. Ao invés de lançar um trabalho simples, ou um disco duplo, eles soltaram de uma única vez, dois discos. Para conhecer mais o trabalho da dupla, nós do Canibal Vegetariano trocamos uma ideia com o casal. Abaixo, você confere a entrevista na íntegra
Canibal Vegetariano: Como você descreveria Ummagma e quais são suas principais influências?
Alexx: Ummagma é uma viagem ao longo do caminho da vida. É como consegui ver alguns  países. Mas foi só ao longo do caminho que percebi que, na verdade, quando eu estava em casa, eu simplesmente não conhecia limites. O mundo está interligado. A música é uma parte do mundo em que vivemos eo mundo das coisas mais finas - um mundo de harmonia universal. A música tem um formulário. De tempos em tempos, que muda de forma e seu tom é como uma bússola, mostrando-nos como e até que ponto vivemos em harmonia entre o céu e a terra. No nosso tempo, como em qualquer outro, é importante focar no positivo. É assim que as melhores palavras nascem do silêncio. Um bom coração dá origem a razão pura.
Shauna: Ummagma é o ying yang do nosso relacionamento, ao mesmo tempo, refletindo a nossa relação com o mundo que nos rodeia. É a própria vida apresentada através de nossos olhos, principalmente do lado róseo, mas às vezes também melancólico, sempre embalado com um aroma delicioso.
CV: Quais os instrumentos que vocês usam e por que escolheram ser um duo?
A: Nós decidimos formar uma família e acho que você poderia dizer que a dupla é um derivado disso. Nós usamos uma variedade de ferramentas: bons velhos samplers, sintetizadores, baterias eletrônicas, bateria e percussão, guitarra, baixo, reverbs, delays, equalizadores, microfones, som ambiente, e tudo o que faz um som. Mas o principal são os filtros - o tipo interno, se você sabe o que eu estou falando.
S: Eu posso esclarecer algo sobre essa afirmação inicial. Nós não saltamos à família e depois fomos fazer música. É mais como que inicialmente, havia um interesse romântico entre nós e então descobri que podiamos realmente fazer música juntos. Parecia uma boa desculpa para eu cronicamente 'acampar' em seu lugar até que começamos a viver juntos e então tudo parecia encontrar o seu caminho de lá - tanto musicalmente quanto em termos de nosso relacionamento pessoal. Alexx foi uma influência muito boa em mim, porque, apesar de eu ter trabalhado com vários outros compositores, antes disso, as composições anteriores eram ou totalmente a capela ou acompanhada, principalmente pela guitarra. Com Alexx jogar tantos instrumentos e trabalhando como um só homem, Hans Zimmer no estúdio de gravação, as paisagens sonoras que ele cria sempre parecem trazer-me para fora da minha concha.
CV: Como vocês conciliam a vida de casado e trabalhando como Ummagma? O que veio primeiro, a banda ou o casamento?
A: Reconciliação requer um bom temperamento. O casamento veio depois que nós começamos a fazer música juntos. Nós nos conhecemos em uma grande cidade, e viver em a metrópole me ensinou a apreciar um ser humano por sua alma. E amei o que vi em seus olhos.
S: Em relação ao equilíbrio entre nossa vida de casados ​​e nosso mundo musical, acho que você poderia dizer que a música é a "cola" que nos une. É assim veio junto e seguimos nosso caminho.
Divulgação
CV: Por que vocês fizeram a estreia com dois discos distintos? Ele não poderia ser duplo?
A: Isso ocorreu pois nossas primeiras músicas tomou forma em 2003. Sim, nós poderiamos ter colocado um álbum anterior, mas você sabe o que pode ser como fazer o seu primeiro movimento. Optamos por fazê-lo assim, porque há toneladas de material que valeu a pena liberar, e ele simplesmente não poderia ser adiado por mais tempo do que já havia feito.
S: Bem, uma vez que decidi finalmente "colocar tudo lá fora", havia algo como seis ou sete dúzias de canções para escolher e só conseguimos reduzi-lo a 24 que "tinham que ser" liberado. Nós não poderíamos liberar menos do que isso, ou teria sido uma injustiça.
CV: Os álbuns foram lançados de maneira independente ou vocês tem contrato com alguma gravadora?
A: Nós fizemos como uma banda indie.
S: Nós lançamos estes dois álbuns de forma independente, assim como nós fizemos nossos vídeos, gravados, mixados e masterizados por conta própria. Trabalhamos com nossos próprios projetos promocionais. Conseguimos nossa própria banda e agora estamos no processo de concepção do site. Assim sendo indie realmente é um modo de vida que não se parece com trabalho.  
CV: Na hora de escrever as letras e fazer as melodias, em que vocês se inspiram e como vocês dividem o trabalho?
A: Bem, eu não estou escrevendo letras em inglês. Estou envolvido principalmente em outros aspectos da música. Shauna tem uma qualidade bonita e "cor" em sua voz, mas também há outra coisa lá - algo que você pode realmente acreditar.
S: Sou um vocalista, sem quaisquer habilidades instrumentais, de modo que foi difícil para eu querer tocar com Alexx, porque ele pode tocar praticamente qualquer coisa que aparece. As letras normalmente vêm a mim em momentos em que eu sou totalmente despreocupada ou então durante os momentos de profunda reflexão, quando eu finalmente expresso meus pensamentos no papel e se esforçam para transformá-los em algo produtivo até o final da canção. Se não posso conseguir isso dentro de uma música em particular, aqueles que não são susceptíveis as letras que devemos usar. Eu sempre  me esforço para trazer um sentimento positivo em que eu escrevo e no que canto.
Divulgação
CV: Como é a cena musical na Ucrânia? Quem é o público de Ummagma?
A: Basicamente, a cena do clube na Ucrânia é cheia de pequenos quartos acolhedores, onde muitas pessoas tendem a conhecer uns aos outros. Existem políticas e outras promoções comerciais que muitos vão para, principalmente, porque precisam do dinheiro extra para sobreviver. Nós encontramos nosso público na Internet. Todo mundo é diferente, claro, mas parece ser principalmente as pessoas que amam música. Isso que vale a pena.  Pensar em aqueles que apreciam.
S: Alexx conhece a cena local melhor do que eu, já que ele é daqui e testemunhou em primeira mão como o cenário mudou ao longo dos anos. Nosso público está em toda parte, felizmente, temos o tipo de música e abordagem para a distribuição de nossa música que nos permite atingir um grupo muito geograficamente diversificado, com muito diversos gostos musicais. Nossa audiência inclui pessoas que tendem a gostar de boa música que não está limitado a um único gênero.
CV: Como surgiu a música na vida de vocês? Qual o disco que mudou a vida de cada músico?
A: Ah, eu comecei a tocar na primeira infância. Meus pais eram grandes amantes de música e eles tocavam música em casa por tanto tempo quanto me lembro. Minhas influências musicais foram de largura. Quando jovem, eu ouvia rock and roll, blues, hard rock, pop, jazz, flamenco, música clássica ... bem, praticamente tudo o que estava disponível em nossa pequena cidade acabou passando por meus ouvidos. Eu aprendi sobre new wave, rock progressivo e música eletrônica mais tarde. No geral, minhas influências foram os primeiros dos anos 70 e 90 e, em seguida, de música lançadas após 2000 ao lado dos anos 80 e até mesmo depois de um novo traço dos anos 60 e mais nova pós-2000 música (risos).
S: Eu só comecei a cantar e escrever música nos meus 20 anos. Acho que você nunca sabe o que você pode fazer se você não tentar. Eu toquei em outras bandas eu tenho sido ao longo dos anos, eu tenho que dizer que minhas principais influências têm sido provavelmente Cocteau Twins e David Sylvian, como eu acho que eles conseguiram encontrar o equilíbrio perfeito em sua abordagem, instrumentação, vocais e letras, tendendo a retransmitir um espírito positivo em sua música. Claro, houve casos em que os dois tiveram um traço do escuro. Eles trouxeram luz para o mundo e nós nos esforçamos para fazer o mesmo.
Divulgação
CV: Atualmente, o que vocês tem ouvido com frequência e recomendam aos nossos leitores?
A: Eu acho que Shauna pode responder melhor esta pergunta. Eu não estou muito perto do epicentro dos acontecimentos. Minha coleção de música é carregada com muitas bandas que eu não tinha antes ouvido falar ou simplesmente nunca ouviu, mas é difícil chegar com, por exemplo, uma lista de cinco músicos de concreto que eu recomendaria. Estamos vivendo em uma época em que, se alguém tem o desejo de procurar uma boa música, ele pode ouvir a rádio de alta qualidade, download de podcasts, e aprender sobre uma interessante variedade de música que melhor lhes convier. Músicos clássicos e críticos de música tendem a acreditar que você não pode compreender completamente a música de um determinado período, sem um bom conhecimento do compositor história, biografia e personalidade. De certa forma eu concordo com isso, mas nem todos estão prontos para ocupar sua mente com tais detalhes. Eu sou provavelmente uma dessas pessoas.
S: Tanto quanto o meu amor por bandas particulares baseia-se principalmente com os grupos do passado, que recentemente encontrou algumas bandas novas que eram agradavelmente surpreendente - uma noite na Rádio Escócia KA, estávamos em um show  com uma banda chamada "Sessões de Banana" e eles foram muito bons. Além disso, há algumas boas bandas novas no canal Ummagma da rádio Last FM. Há também algumas outras bandas que também são muito legais como o Áureo 4AD, Magia 336, Infanta Bella e um novo projeto brasileiro chamado "Assim nasce um fantasma". Gosto de novas descobertas de Sleepyard (Noruega), The Sound Volta (EUA), Sons do Sputnik (Rússia), e os jovens Underground (UK). Eu também gosto do conceito e trabalho Robson Gomes solo - podemos fazer algum trabalho produzidopor ele, eventualmente, assim como nós já começamos a trabalhar com sons de Sputnik e algumas outras bandas ucranianas como Nameless (UA Ternopil).
CV: Agradeço pela entrevista e deixo espaço para considerações finais.
A e S: Viver bem, manter-se saudável e ser feliz! Muito obrigado!


Ummagma: music that crosses borders
Different tales start differently - this one starts with Ukrainian Alexx and Canadian Shauna coming together over their love for music. Apart from resulting in a marriage, this union has resulted in what we know today as the band Ummagma. Together for the past eight years, they only recently launched their debut albums - rather than launching them in a simple way, they released two full-length LPs at the same time. To learn more about the works and ways of these two unique personalities, Canibal Vegetariano had the opportunity to exchange some ideas with the couple. Below you will see the result - a full and rich interview with Ummagma. 

Canibal Vegetariano: How would you describe Ummagma and what are your main influences?
Alexx: Ummagma is a journey along life’s path. It’s like I’ve managed to see some of the country, but it was only along the way that I realized that actually, when I was at home, I simply knew no boundaries. The world is interconnected. Music is a part of the world we live in and the world of finer things – a world of universal harmony. Music has a form. From time to time, that form changes and its tone is like a compass needle, showing us how and to what extent we live in harmony between heaven and earth. In our time, as in any other, it’s important to focus on the positive. That’s how the best words come to be born of silence. A good heart gives rise to pure reason.
Shauna: Ummagma is the ying and yang of our relationship, while also reflecting our relationship with the world around us. It’s life itself presented through our eyes, mainly from the rosy side but sometimes also melancholic, always packed with a rich aroma.
CV: What instruments do you use and why did you choose to be a duo?
Alexx: We decided to become a family and I guess you could say that the duo is a derivative of that. We use a variety of tools: good old samplers, synthesizers, drum machines, drums and percussion, guitars, bass, reverbs, delays, equalizers, microphones, ambient sounds, and anything else that makes a sound. But the main thing is the filters – the internal kind if you know what I’m talking about.
Shauna: I can clarify something about that initial statement. We didn’t jump into the family thing and then do music. It’s more like that we initially took a romantic interest in one another and then figured out that we can actually play music together. It seemed like a good excuse for me to chronically ‘camp out’ at his place until we started living together and then everything seemed to find its way from there – both musically and in terms of our personal relationship. Alexx was a very good influence on me because, although I had been working with several other songwriters before that, previous compositions were either fully acapella or accompanied mainly by guitar. With Alexx playing so many instruments and working like a one-man Hans Zimmer in the recording studio, the soundscapes he creates always seem to bring me out of my shell.
CV: How do you reconcile married life and working as Ummagma? Which came first, the band or the wedding?
Alexx: Reconciliation requires a good temper. The wedding came after we started making music together. We met in a big city, and living in such a metropolis has taught me to appreciate a man for his soul. I loved her for the being who be seen in her eyes.
Shauna: I think we covered some of that in the last question. Regarding the balance between our married life and our musical world, I guess you could say that music is the “glue” that binds us. It’s how we came together; it’s the road we are one and the mystical destination we’re heading to.
CV: You only just released your first recordings even though you formed in 2003. How do you explain that? Why did you debut with two separate discs?
Alexx: That’s because our first songs took form in 2003. Yeah, we could’ve put out an album earlier, but you know what it can be like to make your first move. We chose to do it like that because there is tons of material that was worth releasing, and it just couldn’t be put off any longer than we had already done.
Shauna: Well, once we decided to finally “put it all out there”, we had like six or seven dozen songs to pick from and we could only narrow it down to 24 songs that just “had to be” released. We couldn’t release any less than that or that would have been an injustice.
CV: Were the albums released independently or are you signed to a record label?
Alexx: We did this as an indie band.
Shauna: We have released these two albums independently, just as we’ve made our videos, recorded, mixed and mastered our own music, dealt with our own promo designs, managed our own band and now we are in the process of designing the Ummagma website. So being indie really is a way of life it seems, not just lip service.
CV: While inspires you in writing lyrics and the melodies? How you divide up the work?
Alexx: Well I’m not writing English lyrics. I’m mainly engaged in the other aspects of the music. Shauna has a beautiful quality and color to her voice, but there is also something else there – something you can genuinely believe in.
Shauna: Well, I’m a vocalist without any instrumental abilities, so that was a no brainer for me to want to play with Alexx, because he can play virtually anything it seems. The lyrics typically come to me in moments where I am totally carefree or else during moments of deep thought, when I finally voice my thoughts on paper and strive to turn them into something productive by the end of the song. If I can’t achieve that within a particular song, those are likely not the lyrics that we should use. I always strive to bring a positive feeling in what I write lyrics and what I sing.  

CV: How is the music scene in Ukraine? Who is your audience?
Alexx: Basically, the club scene in Ukraine is full of small cozy rooms, where many people tend to know each other. There are political and other commercial promotions that many go for, mainly because they need the extra cash to survive. We mainly find our audience on the Internet. Everyone is different, of course, but it seems to be mostly people who love music that’s worth thinking about and those who appreciate 4AD’s golden period.
Shauna: Alexx knows the local scene better than I do, as he’s from here and witnessed first hand how the scene has changed over the years. Our audience is everywhere – fortunately, we have the kind of music and approach for distributing our music that allows us to reach a very geographically diverse group with very diverse musical tastes. Our audience includes people who tend to like good music that’s not limited to single genre.
CV: How did you start being involved in music? What music has influenced you as a musician?
Alexx: Oh, I began playing in early childhood. My parents were big music lovers and they played music at home for as long as I can remember. My musical influences have been wide. As a young man, I listened to rock and roll, blues, hard rock, pop, jazz, flamenco, classical music ... well, pretty much everything that was available in our small town ended up passing through my ears. I learned about new wave, progressive rock and electronic music later on. In general, you could that my influences were first the 70s & 90s and then music released after 2000 alongside 80s music and even later a new dash of the 60s & more new post-2000 music =)))
Shauna: I only started singing and writing music in my late 20s. I guess you never know what you can do unless you try it. As big into some other bands I have been over the years, I’d have to say that my main influences have likely been Cocteau Twins and David Sylvian, as I think they managed to find the perfect balance in their approach, instrumentation, vocals and lyrics, while tending to relay a positive spirit in their music. Sure, there have been instances where both of them have had a dash of the dark, but that has generally not ‘inspired’ me as a song-writer – it is the positive, including what I call ‘light melancholic’ that has gotten under my skin so much so to have become part of me. They have literally brought light to the world and we strive to do the same.
CV: Is there any bands you currently like that you can recommend to our readers?
Alexx: I think that Shauna best answer this question. I'm not very close to the epicenter of events. My music collection is loaded with many bands that I had earlier not heard of or just never listened to, but it’s hard to come up with, for instance, a list of five concrete musicians that I would recommend. We’re living in a time where, if someone has the desire and the time to seek out good music, he can listen to high-quality radio, download podcasts, and learn about an interesting variety of music that best suits them. Classical musicians and music critics tend to believe that you can’t completely understand the music from a given period without a fair knowledge of the composer’s history, biography and personality. I somewhat agree with this, but not everyone is ready to fill his mind with such details. I'm likely one of those people.
Shauna: As much as my love for particular bands rests mainly with groups of the past, we recently encountered a few new bands that were pleasantly surprising – one night on Scotland’s KA Radio, we were on a show back to back with a band called the Banana Sessions and they were very nice. Also, there are some good new bands on Ummagma’s Last FM radio channel. There are also a few other bands that are also nicely reminiscent of the golden 4AD period, such as Spell 336, Bella Infanta and a new Brazilian project called assimnasceumfantasma. I enjoy new discoveries from Sleepyard (Norway), The Volta Sound (USA), Sounds of Sputnik (Russia), and The Underground Youth (UK). I also like The Concept and Robson Gomes’ solo work – we might do some production work for him eventually, just as we’ve already begun working with Sounds of Sputnik and some other Ukrainian bands like Nameless (UA Ternopil).
CV: Do you have any final comments?
Live well, keep healthy and be happy! Thank you so much!
More information about the Ummagma Vegetarian Cannibal visit:

Nenhum comentário: