______Versão on-line do zine Canibal Vegetariano______

Somos loucos apaixonados por rock, buscando sempre divulgá-lo de forma independente, sem jabá e amarras.

domingo, 23 de maio de 2010

Mudhoney: 'Dinossauros do grunge'

A noite prometia ser fria em parte do Estado de São Paulo durante a noite de sábado, 22, e madrugada de domingo, 23. Mas para quem gosta de rock, a noite e madrugada acabou sendo quente, muito quente. Para as datas citadas acima, estava prevista a edição estadual da Virada Cultural, que acontece em vários municípios ao mesmo tempo e em Mogi das Cruzes, município da Grande São Paulo, dois grandes shows de rock estavam previstos para acontecer. Primeiro seria a banda Autoramas, que atualmente excursiona divulgando o álbum desplugado, lançado no final do ano passado, e uma das bandas mais legais a surgir no final dos anos 80, do século XX, Mudhoney.
E para variar, nós do blog/zine Canibal Vegetariano assim que soubessemos que a Mudhoney estaria presente a este evento, começamos a preparar nossa viagem. Junto com mais três camaradas, no início da noite de sábado, nos deslocamos de ônibus até a capital paulista e em seguida seguimos até Mogi. O local dos shows era próximo a rodoviária, sendo assim a caminhada foi rápida. Ao lado do palco montado para a Virada Cultural, acontecia paralelamente uma festa religiosa.


Gabriel Thomas e Flavinha agitando Mogi das Cruzes

Assim como muitos roqueiros que estavam na expectativa de ver Autoramas e Mudhoney, aproveitamos para comer e beber na festa. Devido a superlotação do local, desistimos da ideia e fomos ficar grudados na grade que separava o público do palco. Assim que encostamos, percebemos que a distância entre o público e as bandas era enorme e poderia ocorrer alguns problemas.


Gabriel e sua tradicional guitarra Telecaster. Em parte do show ele tocou violão devido a divulgação do álbum desplugado


Pontualmente às 22h30, a Autoramas sobe ao palco, e com guitarra limpa e baixo distorcido, característica da banda, eles começaram a desfilar uma sequência sensacional de grandes canções. Quando o show chegava a metade, eles trocaram os intrumentos elétricos e apanharam violão e baixolão e começaram a executar várias canções do álbum "MTV apresenta Autoramas deslugado". O público estava a fim de agito e cantou e pulou ao ritmo da banda. As canções que mais se destacaram foram "Você sabe", "Fale mal de mim" e "Ex-amigo". A banda que recebia toda a empolgação da galera também estava empolgada e Gabriel, vocal e guitarra, agitava e mexia com os presentes, assim como Flávia, baixo e backing vocal, que também não parava. Em uma das músicas, Bacalhau, baterista, deixou seu instrumento e foi até a frente do palco, chutando e socando o ar. A galera foi ao delírio. Após um excelente show, pausa para recuperar o fôlego e aguardar a Mudhoney.


Empurra empurra e má organização


Como citamos acima, a distância da grade que separava o público do palco era enorme, e assim que se aproximava a hora da Mudhoney o pessoal do fundo começou a prensar a galera que estava a frente. O enorme espaço entre plateia e palco era justificado como espaço reservado à imprensa, mas podemos notar que havia muitos "bicões".


Mark Arm (vocal e guitarra) ficou indignado com a distância entre público e palco

Poucos minutos após a 0h, sobe ao palco uma das bandas mais importantes da história do rock e uma das pioneiras do denominado estilo grunge, Mudhoney. Muita gente foi ao delírio quando notou Mark Arm, Steve Turner, Dan Peters e Guy Maddison, acertando os últimos detalhes para o que prometia ser um grande show.
E assim que terminou a primeira música, o vocalista Mark Arm reclamou da distância que o público estava do palco. Parte do pessoal que estava furioso com o espaço vazio, começou a pular a grade. Foi necessário reforço na segurança, com guardas municipais e policiais militares. Mesmo assim, durante todo o show, muita gente foi arremessada a este espaço, sendo todos detidos pelos guardas.


Esta foi a quarta vez que a banda Mudhoney se apresentou no Brasil

Problemas a parte, a Mudhoney fez um grande show e mandou ver no que há melhor em seu repertório construído ao longo de mais de 20 anos. Mesmo não sendo mais jovem, o vocal Mark Arm, que em parte do show também tocou guitarra, mostrou que é um grande performer, com muito carisma e amor pela música. A galera presente agitava e cantava todas as canções.
Após mais de uma hora de muito rock, os caras despediram-se do público, com Mark Arm falando algumas palavras em português. O público, ensandecido e ainda não satisfeito, pede bis e a banda, que pela quarta vez se apresentava no Brasil, atende e manda mais alguns rocks alucinantes, esquentado ainda mais a fria madrugada. Por volta da 1h30, a banda definitivamente deixa o palco.


O show durou cerca de uma hora e meia. A banda tocou todos os clássicos deixando o público feliz ao final da apresentação

A nós, só nos restava risos e abraços pois acabaramos de ver dois grandes shows de rock, com tudo que um show pode prometer. Assim que a apresentação chegou ao final, o pessoal começou a dispersar, muitos voltando para suas casas, mas como nós tinhamos um tempo para "queimar", pois fomos de ônibus, ficamos andando a esmo. Quando nos aproximavamos da saída, vimos uma aglomeração de pessoas e ouvimos um som. Fomos ver o que acontecia, vimos que a banda sorocabana Ini, estava se apresentado de maneira totalmente independente. Eles não estavam na programação, mas como carregam um gerador de energia, eles plugaram seus instrumentos e mandaram ver no rock. Infelizmente só conseguimos ouvir 3 músicas. Neste meio tempo, encontramos o baixista da banda Espamos do Braço Mecânico, Fukuda, que curtia o som e a atitude dos sorocabanos.


A banda de Sorocaba não estava agendada, mas de acordo com o público presente, fez um grande show de rock. Os instrumentos foram ligados em um gerador que a banda carrega

E assim terminava nossa viagem à Mogi. Antes de voltar para casa, uma pausa para o lanche. Quando o frio começava a incomodar e a neblina a esconder os edifícios, fomos tomar um chocolate quente, que além de esquentar e espantar o sono, deixou parte da galera insana!! O que será que botaram naquele chocolate?

CRÉDITO DAS FOTOS: Zine Canibal Vegetariano

Um comentário:

Victor disse...

AAAAHHHH!!!
Só quem colou mesmo sabe como foi foda esse rolê!

chocolate batizado, pessoas sendo lançadas na grade, abuso policial, perseguição da tiazinha...

Puta falta de sacanagem mew!
Abrass Ivan!