______Versão on-line do zine Canibal Vegetariano______

Somos loucos apaixonados por rock, buscando sempre divulgá-lo de forma independente, sem jabá e amarras.

domingo, 16 de fevereiro de 2014

Uma hora a mais de rock’n’roll

Canibal Vegetariano

O sábado 15 de fevereiro será uma daquelas datas que vamos demorar muito a esquecer, se é que vamos conseguir, pois não é todo dia que chega ao fim o deprimente horário de verão e três bandas de rock independente com muita qualidade dividem o mesmo palco.
E a divisão ocorreu no Woodstock Bar em Campinas, onde Desenmascarado, projeto do mestre das caveiras Daniel ETE, Simon Chaisaw, australiano que há alguns anos mora no Brasil e Leptospirose, apresentariam muitos watts de rock’n’roll. E com uma programação desta, coube a equipe do Canibal Vegetariano acompanhar.
A ida foi tranquila, depois de muito tempo com temperaturas acima do normal, a noite estava agradável e com uma garoa espetacular. Em nossa chegada ao bar, parada no balcão para comer amendoim e tomar aquela gelada. Enquanto colocávamos o papo em dia e apreciávamos a comida e bebida, encontramos Daniel ETE que disse que seu novo projeto fazia um som “de tiozinho”. Conhecíamos apenas uma música da nova banda, mas não tinha na a ver com som “calminho”.

Canibal Vegetariano

E a primeira banda a subir ao palco foi a Desenmascarado. E assim que o som começou sentimos que ETE havia brincado conosco, pois as músicas não tem nada de “tiozinho”. E para quem não conhece, ETE é o cara responsável pelo baixo da banda Muzzarelas há mais de 20 anos e também toca instrumento na banda Drákula. Neste novo projeto, as canções têm aquela mistura que adoramos, punk rock e garage rock, preciso escrever algo mais? Com duas guitarras, baixo e Lobisomem na bateria, o quarteto abriu muito bem a noite e animou a galera que ocupou quase toda dependência do bar e deixou o povo quente para as próximas atrações.


Em seguida veio o australiano Simon Chaisaw que tinha como guitarrista em sua banda, Joe Klener, da argentina Corazones Muertos. Com uma mistura dessa era óbvio que rolaria muito som de boa qualidade e isso foi realmente o que ocorreu. Com pegada punk e do bom e velho rock’n’roll, o australiano mostrou que melhorou sua performance de quando o vimos há alguns anos e fez a galera agitar, com show de muita competência.

Canibal Vegetariano

Assim que o australiano deixou o palco, os bragantinos da Leptospirose assumiram o palco e aí o lance ficou mais agressivo, pois Leptos é hardcore e os caras fariam seu primeiro show em Campinas após o lançamento de “Tatuagem de Coqueiro”, quarto álbum do power trio. E assim que “invadiram” o palco, Serginho [bateria], Velhote [baixo] e Quique Brown [guitarra e vocal], mandaram todo o peso e fúria que se pode esperar de uma banda como essa e a galera, óbvio, abriu rodas em frente ao palco e a diversão invadiu de vez o local. O show em Campinas foi menor em comparação ao qual acompanhamos em janeiro, em Bragança Paulista, mas foi intenso em termos de rock. Os caras ainda fizeram uma versão hardcore de “Communication Breakdown”, dos ingleses do Led Zeppelin. Para fechar, rolou canja com membros da Desenmascarado e também do Simon Chaisaw, para encerrar com “chave de ouro”.

Canibal Vegetariano

Após algumas horas de muito rock, restou a nossa trupe passar na barraquinha de “merchan”, para adquirir o vinil de Tatuagem de Coqueiro. Ainda sobrou tempo para pararmos em uma rede de fast food e comer algo para repor as energias ou apenas aquele sorvete para amenizar o calor. Mas resquícios do show ainda são sentidos, pois escrevo este texto na parte da tarde e meus ouvidos ainda estão zumbindo.

Nenhum comentário: