______Versão on-line do zine Canibal Vegetariano______

Somos loucos apaixonados por rock, buscando sempre divulgá-lo de forma independente, sem jabá e amarras.

terça-feira, 13 de maio de 2014

Monaural: o rock sujo e visceral está de volta

André Astro
Depois de cerca de quatro anos parados, Ayuso reuni novamente a Monaural, com o baterista Herik, mais conhecido como "toca de véia" e um novo membro e traz novamente o rock sujo e visceral à luz do cenário underground. Para saber mais sobre esse retorno, nós do Canibal Vegetariano conversamos com o vocalista e guitarrista. Abaixo, você confere o papo na íntegra.

Canibal Vegetariano: Ayuso, depois de um bom tempo em hibernação, a Monaural está de volta. Como rolou esse processo?
Ayuso: Estávamos dormindo e de repente passaram-se quatro anos..., acordamos do nada, com muita fome e vontade de tocar, tocar, comer e tocar! (risos). Estou com trinta e dois anos, o Herik tem seus vinte e oito e Fedo, o nosso novo baixista, trinta e três, três trintões entediados, sem perspectivas, sem ter nada de divertido para se fazer nos finais de semana, por que não se divertir novamente, resgatando um pouco daquilo que ficou em nosso tempo de colegial? Nos conhecemos na escola em que estudávamos, se não tivesse conhecido o Fedo, não teria tocado com ele no Estéreo, nem teria conhecido o Herik, ou seja, o Monaural nunca teria existido, tudo culpa desse lazarento e hoje, nada mais justo, antes de encerrarmos as chuteiras para valer, fazer essa “volta” com o figura que indiretamente mudou todo o paradeiro da minha medíocre vida...

CV: E as composições, seguiram aquela linha voltada para o som de Seattle do início dos anos 90?
A: Temos um novo baixista, como disse anteriormente; um irmão, vizinho, amigo de longa data, Fedo on bass, um cara divertido, engraçado, está sendo maneiro tocar com ele de novo. Estamos resgatando músicas antigas, três quatro acordes, riffs de metal abafado, coisas simples, com uma identidade nossa, tentando soar mais pesado e lento do que antes...



CV: Atualmente, tudo passa e muda rapidamente, como você vê o cenário underground hoje. Ele mudou em relação a época que vocês pararam?
A: Continua a mesma merda cara, segregado, glamorificado no talo, bandinhas pseudo-braZileiras tendo mais espaço e público, aquela coisa, o povo brasileiro é tudo paga pau de gringo, não tem jeito, mas aí, gosto pacas do que foi feito dentro do rótulo rock em nossa língua e somos mais uma dos remanescentes, teimosos e persistentes, mesmo que isso nos custe a vida, vamos continuar cantando em nossa língua mãe, nasci aqui, não quero ter uma vida que não tenho, cantar sobre coisas importantes numa língua que não é minha para pagar de gatinho playboyzinho, para pegar menininha, sempre achei isso um lixo e por outro lado, fica a cada dia mais evidente a dominação e o aniquilamento da nossa cultura..., sei que pode soar meio contraditório eu citar essas coisas, ainda mais falando sobre “roque”, mas foda-se, é minha forma de ver e pensar, prefiro ser fiel aos meus princípios. Embora, talvez nós iremos gravar um só em “ingreis”, só para mostrar como é mais fácil, muito mais fácil, escrever qualquer coisa e cantarolar no "embromation" para ninguém te entender (risos). A desculpa dessas bandas é, queremos ir para gringa..., que americanos vão se interessar por brasileiros sem personalidade querendo copiar o som deles e ainda na língua deles...tirando o Sepultura, e o Cansei de ser Sexy que não deu em quase nada..., não vejo mais futuro para isso, mas, posso estar equivocado, veremos.

CV: Ayuso, com a volta da Monaural, como ficam seus outros projetos musicais?
A: Não tenho mais projetos, nem vontade de retomá-los, tô ficando velho e com as bola cheia dessa cidade infernal...só queria ter grana para reformar meu violão e ficar tocando um som de fronte algum pé de morro, vendo o verde e ouvindo o cantarolar dos pássaros a me acompanhar.

CV: Vocês já fizeram algum show após o retorno? O que a galera pode esperar dessa volta da banda? 
A: Sim, nos apresentamos no Cidadão do Mundo, no ABC paulista. Lançamos um registro, espécie de bootleg, com o áudio do show, que foi filmado pelo Clóvis, Stage Struck, ficou bom até, para quem interessar, tem lá no nosso bandcamp.
monaural.bandcamp.com. Continuando, acho que não podem e nem devem esperar nada... [risos], acredito que estamos melhores ao vivo, mais experientes, e o que possa vir, e em breve virá, é no máximo um bom registro de estúdio para ficar aí para uma posterioridade do esquecimento digital.

André Astro

CV: Quais as bandas que você mais tem ouvido neste momento?
A: METZ... hummm...quem mais? A faixa nova do Sunny Day!

CV: Agradeço pela entrevista e deixo espaço para as considerações finais.
A: Nós quem agradecemos, por teu apoio e amizade verdadeira, desde muito tempo, sempre firme na luta ae, ajudando a divulgar a música independente. O mérito é todo seu cara. Até breve e esperamos ter a chance de tocar novamente em Itatiba antes que eu me mude definitivamente para o sul e o Monaural faleça permanentemente.

Um comentário:

Unknown disse...

https://www.youtube.com/watch?v=HcLzJtoLAMU&feature=youtu.be