______Versão on-line do zine Canibal Vegetariano______

Somos loucos apaixonados por rock, buscando sempre divulgá-lo de forma independente, sem jabá e amarras.

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Magnetita: Pelo retrovisor banda visualiza seu futuro

Eles estão de olho no que foi feito no passado sem perder a visão no futuro. Com a mistura de letras de protesto e som pesado, a banda itatibense Magnetita "enfia" o pé na porta do rock independente e lança seu primeiro disco. Para saber mais sobre a banda, nós conversamos com o guitarrista Sérgio Spell, que falou abertamente sobre o atual momento do grupo. Esta entrevista foi publicada na edição nº 4 do Fanzine Canibal Vegetariano, lançada em 23/09/2010.

Canibal Vegetariano: Faça-nos a apresentação dos integrantes da banda e seus respectivos instrumentos.
SS:
Daniel Nikimba (voz), Edu Limas (bateria), Rogério Minutti (contra-baixo) e Sérgio Spell (guitarra e voz)
                             
CV: A banda está lançando o primeiro registro que conta apenas com músicas autorais. Quando vocês pensaram que estava na hora de compor? E qual  motivo de gravar apenas músicas próprias?
SS:
Estávamos ensaiando covers até que bateu um certo questionamento sobre tal situação, já tínhamos algumas músicas prontas e outras foram compostas em ensaios da banda. Achamos que não há futuro para bandas que só tocam os mesmos velhos e cansados hits do rock (não que a banda não goste de tocar covers). Uma banda tem falar algo de si, e o que pensa, ou será apenas mais um grupo que pertuba parentes e vizinhos, com ensaios das mesmas ladainhas que todo mudo não aguenta mais.

Lucas Selvatti
Dá esquerda para direita: Rogério (baixo), Daniel (vocal), Dú (bateria) e Sérgio (guitarra)
CV: Como foi o processo de gravação?
SS:
Totalmente independente (risos)... Gravamos numa sala com apenas um microfone para a bateria, montamos as guias e depois os arranjos foram sendo finalizados juntamente com as vozes. Gravamos tudo em mais ou menos um mês, mas a mixagem demorou um pouco mais, já que é difícil se chegar num resultado satisfatório, usando apenas uma mesa de som e software de gravação.

CV: Após o lançamento do álbum, vocês já realizaram shows em Itatiba e Vinhedo. Quais serão os próximos passos?
SS:
Nosso próximo show será no evento “Praça Viva” (Praça da Bandeira de Itatiba/SP) em 16 de outubro. Estaremos fazendo o lançamento oficial do álbum Magnetita. Outras apresentações ainda estão sendo discutidas pela banda.

CV: Como músicos vocês devem gostar de todo o álbum. Mas geralmente tem aquela música que se destaca mais. Existe uma que a banda fala "essa é a música", ou cada um tem uma preferida?
SS:
Gostamos muito da faixa 2 “Eu não caio não”, é unânime.. A razão deve ser por causa da pegada um pouco mais pesada e sua mensagem de protesto aos que se dizem “ministros de Deus” e enganam milhares de pobres coitados sem esperança, que deixam seu dinheiro para sustentar esse "circo" chamado religião.

Lucas Selvatti
A banda durante um de seus ensaios
CV: Sérgio, você como principal compositor da banda, quero saber qual sua influência na hora de escrever as letras? Livros, filmes, músicas...
SS:
Eu gosto de livros embora não leia tanto quanto deveria. Adoro cinema. E ouvir outras bandas é com certeza parte desse processo. Adoro trilhas sonoras, é assim que componho, crio os riffs depois fico ouvindo e me auto-sugestionando sobre qual tema se encaixa, então os textos vão "pintando" em minha mente como um mosaico.

CV: Ouvindo o disco, eu senti a banda Magnetita mesclando o peso das bandas brasileiras dos anos 90 com temáticas das letras dos anos 80. Como vocês definem o estilo da banda?
SS
: Essa é a resposta mais difícil de todas (risos). Não sabemos muito como categorizar, talvez seja “roque errou brasileiro” (mais risos), somos o Magnetita e acreditamos no nosso som que tem influência das boas bandas brasileiras dos anos 80 (século XX) e do grunge.

CV: Quais as influências musicais de cada um? E com as diferenças, como vocês conseguiram chegar na sonoridade apresentada pela banda?
SS:
Daniel gosta de bandas como Titãs, Paralamas, Nação Zumbi, Sepultura, Pantera, Alice in Chains...etc. Eduado curte Smashing Pumpkins, Nirvana, Kings of  Leon, Foo Figthers e etc. O Rogério é o mais progressivo, curte desde MPB a Dream Theather e bandas de metal em geral. Eu gosto muito de Black Sabbath, Pink Floyd, Nirvana, Audioslave, Pearl Jam, etc.

CV: Quais bandas do cenário independente atual que vocês curtem, por quê?
SS:
Vênus Voltz é uma banda de Campinas da qual somos amigos do baterista “Du”, e o som deles é bem alternativo e cheio de misturas. Gostamos também de Valverdes, um power trio simplista mais bem porrada, gostamos muito de bandas que um dia foram independentes, como REM, que ficou na estrada durante anos tocando e vendendo discos por conta própria.

CV: O primeiro álbum de vocês acabou de ser lançado e tem muito para ser trabalhado. Mas vocês continuam compondo? Existe uma previsão de quando vocês pretendem gravar novamente?
SS:
Já temos um single e estamos tocando nos shows, “O coringa”, e outras músicas sendo elaboradas, mas não temos previsão de gravar, pois nosso foco é tornar esse primeiro disco bem conhecido.

Lucas Selvatti
Magnetita, foto da capa do 1º CD da banda
CV: Sérgio, agradeço pela entrevista e deixo o espaço para as considerações finais.
SS: Agradecemos o apoio de todo o cenário independente de Itatiba nossas esposas, famílias e amigos, ao Zine, ao pessoal d'A Hora do Canibal (Ivan e Boss), Tati, Lucas Selvatti, Pró-Rock e também à Secretaria de Cultura de Itatiba (Simone , Ana Lúcia, etc). A todos vocês nosso grande abraço!!

Nenhum comentário: