______Versão on-line do zine Canibal Vegetariano______

Somos loucos apaixonados por rock, buscando sempre divulgá-lo de forma independente, sem jabá e amarras.

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Como a Guerra das Malvinas impulsionou o rock argentino


Rolling Stone Brasil destaca, em reportagem especial, como o período pós-guerra determinou o ponto de partida para o ressurgimento do rock no país

Na edição de maio, a Rolling Stone Brasil traz uma matéria especial sobre a influência da Guerra das Malvinas no crescimento do rock argentino em meados dos anos 80. A partir da contextualização do conflito entre Inglaterra e Argentina, a reportagem mostra como a proibição de músicas em inglês no período posterior à guerra contribuiu para a valorização do cenário nacional, principalmente o rock.
Destacando as principais bandas e músicos que tiveram letras influenciadas pela guerra, como Charly Garcia e Flema, a matéria mostra como os acordes porteños silenciaram os zumbidos das munições inglesas. Foi na derrota que a cena rock nacional encontrou o grande momento de reafirmação. Hoje, os moradores de Buenos Aires são os fãs que mais gastam dinheiro com ingressos para shows, mais até do que os próprios ingleses.
Escrita pelo jornalista argentino Edgardo Martolio, com exclusividade para a Rolling Stone Brasil, a reportagem coloca o festival musical que angariou fundos para os combatentes das Ilhas como um divisor de águas no cenário musical argentino. Citando o rock nacional como a voz de todos que permaneceram calados nos anos de ditadura, Martolio afirma que o gênero musical foi, e ainda é, um dos principais responsáveis por acender o sentimento de patriotismo “hermano”.


Sobre a Rolling Stone
Fundada em 1967 por Jann Wenner (publisher até hoje) e Ralph J. Gleason, a Rolling Stone nasceu no fervor da contracultura hippie dos anos 60. Numa época em que as revistas em circulação desprezavam a cena musical, foi o primeiro veículo a tratar o assunto seriamente. Logo se tornou conhecida por permitir a livre expressão tanto do artista quanto de seus jornalistas, fazendo história com artigos pungentes sobre sexo, drogas, comportamento e política sem rabo preso. No Brasil a publicação está sob a responsabilidade da Spring Publicações.

Nenhum comentário: